O Patrono

Cícero dos Santos da Silva Pereira

Nasceu em São José do Gorotuba, distrito de Grão Mogol, em Minas Gerais, em 14 de novembro de 1881, filho de Ludovica e Manuel José Pereira da Silva. Casou-se com Guiomar Lellis, em 5 de março de 1903, mas não tiveram filhos. Em 1948, às 6 horas de uma manhã luminosa manhã do dia 4 de novembro, em Belo Horizonte, desencarnou, deixando um legado de exemplos de profundo amor ao trabalho, à família, aos amigos e ao Espiritismo.​

Desde cedo, manifestou interesse por assuntos espirituais, e, a partir dos treze anos, dedicou-se ao estudo da Doutrina Espírita, que definiria sua opção de vida.

Guarda-livros, taquigrafo, bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais, poliglota e esperantista, começou seus estudos na Escola Normal de Montes Claros, onde foi professor e diretor. Exerceu os cargos de prefeito e coletor estadual, em Grão Mogol; e professor de matemática, em Belo Horizonte, para onde se transferiu em 1927. Seu nome foi dado a uma rua no bairro de Santos Reis, em Montes Claros, por decreto municipal de 31 de julho de 1967.

Como jornalista, colaborou em jornais locais, tendo fundado o jornal “O Tempo”, e deixado em “O Poder” uma serie de artigos sobre assuntos morais e espirituais, como “Minha Fé”, “Minhas atividades espirituais”, “Fraternidade Cósmica”, tendo sido, ainda, redator – secretario do “Jornal da União”.

No exercício de sua missão espírita teve desempenho marcante confirmado por suas múltiplas iniciativas tais como:

​Fundador do grupo “Paz e Caridade”, em Montes Claros, e do Abrigo Jesus;

“Um dia, quando a humanidade escrever a historia do Espiritismo em Minas, a página da vida de Cícero Pereira será uma das mais valiosas, pois tenho-o como expressão mais culminante do Espiritismo Cristão, em toda Minas Gerais.” (Pedro machado in “Professor Cícero, um autêntico Mahatma”).