Histórico

  CECIPE  – seu início

                                            

                                      

 

Nossa Origem, Nossa História

 

Tudo começou pela ação idealista e a vontade firme de dois batalhadores de Jesus: o doutor Lydio Diniz Henriques, advogado, humanista, devotado à Caridade, e o coronel Joffre Lellis, militar de Minas Gerais, um soldado de Jesus, ambos ativos praticantes dos preceitos evangélicos, sendo o segundo fraterno companheiro de Cícero Pereira, de quem era sobrinho.

 

Movidos pelo propósito de organizar uma entidade espírita em Brasília, a serviço do Bem, mobilizaram inicialmente um seleto grupo de 10 pessoas, realizando, com elas, em 25 de maio de 1965, a primeira reunião, preparatória daquela iniciativa. O encontro teve lugar na SQN 413/414, bloco 9, apartamento 203, sob a presidência do Dr. Lydio e secretariada por Joffre Lellis.

 

Quase dois anos depois, em 24 de abril de 1967, na sala 414 do edifício Goiás, no centro da cidade, nova reunião foi promovida, desta vez para adotar a decisão de fundar o Grupo sem demora, marcando a realização da Assembleia Geral de Fundação para o dia 25 de maio de 1967. A reunião foi dirigida por Lydio Diniz Henriques e secretariada por Adamastora América de Andreazzi.

 

É que, no interregno de cerca de dois anos entre as duas reuniões, houve tempo para se esclarecer dúvidas e remover dificuldades, o que permitiu a decisão final.

 

No mesmo local (sala 414 do Edifício Goiás, Setor Comercial Sul, em Brasília) um mês depois, em 25 de maio de 1967, realizou-se a reunião de Assembleia Geral, que aprovou o Estatuto da Sociedade e elegeu e empossou o Conselho Coordenador e a Diretoria Executiva.

 

Foram os seguintes os Sócios Fundadores: Lydio Diniz Henriques (Diretor-Executivo); Manuel L. Gonzales (Vice-Diretor-Executivo); José Astélio Pontes (Secretário); Anaísa Falcão Martins (Tesoureira); Antonio Godoy Neto (Diretor Socorrista); Francisco Vasconcelos Menescal (Conselho Coordenador); Adamastora América de Andreazzi (Conselho Coordenador); Maria de Lourdes Prieto (Conselho Coordenador); Jorge Cauhy Júnior (Conselho Coordenador); Rosa Santini Henriques (Conselho Coordenador); Sidney Pezzuto; Patrícia Gonzales; Mirthys Cury Menescal; Plauto de Carvalho; Nair Simões; Alayde de Carvalho; Ariane Santini Henriques, Hecliton Santini Henriques; Maria de Lourdes Pontes.

 

A Assembleia definiu a Instituição como uma “Entidade Espírita, Sociedade Civil, Religiosa e Filantrópica” e estabeleceu as seguintes finalidades para o Grupo:

 

– “dar a mais ampla divulgação ao Movimento da Fraternidade, através do exercício da caridade em todos os seus aspectos, segundo os ensinamentos de Jesus Cristo, bem como a difusão e a prática da Doutrina Espírita codificada por Allan Kardec”;

 

– “promover, em harmonia com as demais instituições espíritas, o esclarecimento das criaturas de boa vontade, visando o aprimoramento moral e evangélico pelo conhecimento da real objetividade do Espiritismo Codificado”;

 

– “dar, por todos os meios ao seu alcance, apoio moral e material à Cidade da Fraternidade, que está sendo construída em Alto Paraíso, Goiás, sob o patrocínio da Organização Social Cristã André Luiz – OSCAL”.

 

O registro oficial da nova Entidade foi efetuado no Cartório Marcelo Ribas – 1º Ofício de Registro Civil das Pessoas Naturais e Jurídicas, em 14 de junho de 1967.

 

Como se escolheu o nome de Cícero Pereira para compor o título da Sociedade e ser o patrono desta Casa?

Consta da Ata da 12ª Reunião da OSCAL em Brasília:

 

“Aos seis dias do mês de julho do ano de mil novecentos e sessenta e cinco, às nove horas e dez minutos, nesta cidade de Brasília, na Superquadra 208, Bloco 11, Apartamento 503, residência do irmão Diretor Joffre Lellis, realizou-se mais uma sessão mediúnica do Grupo da Fraternidade, com a presença dos seguintes irmãos: Joffre Lellis, Dora Lellis, João Assafin, Ondina Assafin, José Maria Duarte, Lucy Duarte, Odélia Motta, Manuel Villela Lopes, Nelson Siqueira da Silveira, Walnézia de Souza Mello, Antonino Céfalo e Ruth Motta Céfalo. A sessão foi presidida pelo irmão Villela, que fez a prece dando por iniciados os trabalhos. Em seguida, o irmão Diretor Joffre Lellis, comunicou aos presentes, com grande alegria para todos, que o Grupo da Fraternidade de Brasília recebeu o nome de “Cícero Pereira”, comunicação trazida do Plano Espiritual, em homenagem a esse Grande e Iluminado Espírito, que foi o pioneiro da Doutrina Espírita em Minas Gerais. Eu, Ruth Motta Céfalo, segunda secretária do Grupo da Fraternidade de Brasília, lavrei a presente ata, que assino com os demais irmãos.”

 

A personalidade jurídica se fundou sobre dois pilares: o Religioso, que motivou o início da reunião dessas pessoas e o pilar Social com base no histórico e na conduta de vida do nosso Patrono Cícero Pereira em Belo Horizonte.

 

A partir daí os trabalhos não pararam mais, muita luta, muito sacrifício, as atividades religiosas continuavam. O primeiro prédio construído foi o da obra religiosa, que é hoje onde se realizam as atividades religiosas e na sequência tivemos o prédio da assistência social, que era o prédio da CAMEGE, que acolheu as mães solteiras, onde hoje acontece a sopa Pai Sebastião, a Oficina Joanna de Ângelis e a Campanha da Fraternidade “Auta de Souza”. O Presidente, Dr. Lydio, desencarnou na década de 80 e D. Adamastora foi eleita presidente da instituição e  foi em busca de garantir a manutenção das instalações.

 CECIPE hoje

                                                    
                                 

 

Em 2002, veio a reforma do código civil que trouxe várias alterações e uma delas foi a reafirmação do estado laico, de que as entidades beneficentes, filantrópicas certificadas que recebessem verba do estado, não poderiam atuar professando uma religião determinada no seu labor de assistência social, por isto veio a separação do GFCP da sua parte religiosa, sendo então criada a Instituição Centro Espírita da Fraternidade Cícero Pereira – CECIPE.

 

Então hoje, temos, desde 2002, o Grupo da Fraternidade Cícero Pereira, GFCP, uma entidade de assistência social, constituída atendendo todas as prerrogativas e exigências da lei e o Centro Espírita da Fraternidade Cícero Pereira – CECIPE, centro espírita, organização religiosa fundada em 2004, no dia 14 de novembro, transformando-se em entidade irmã do Grupo da Fraternidade Cícero Pereira.